Em junho deste ano, eu tirei um tempo pra mim. Foi a primeira vez em 7 anos corridos de trabalho que falei “Chega! Quero e preciso descansar”. Mochila nas costas, documentos em mãos, fui dar um rolê por aí e, de quebra, realizar alguns sonhos.

Tô te contando isso porque essa viagem me fez refletir sobre uma série de coisas em que não estava pensando. Coisas que eu sabia, mas que com a loucura do dia a dia, eu não pensava. Também consegui refletir sobre mim, a minha história e me senti realmente orgulhosa da mulher que construo dentro desse corpo que habito. Mas me senti ainda mais feliz quando percebi a quantidade de mulheres que cercam minha vida e me inspiram.

Essas mulheres – que tanto admiro – fazem do mundo um lugar melhor. E não tô dizendo isso porque são conhecidas {algumas que vou entrevistar nem são pessoas próximas}, mas porque elas carregam dentro de si um desejo de mudança, uma força de vontade absurda e, por meio dos seus trabalhos, deixam o mundo + bonito. E o melhor -> elas buscam realizar os próprios sonhos! Foi aí, andando pelas ruas de Londres num dia lindo de sol, que eu pensei em lançar uma nova série de entrevistas: mulheres do futuro.

O objetivo dessa série é contar a história de mulheres incríveis, que trabalham com coisas completamente diferentes, que possuem um senso de mudança arrebatador. Mulheres que desejo ver cada vez mais num futuro bem próximo. A cada semana, vou contar a história de uma delas e, espero de coração, que elas também possam te inspirar a correr atrás dos seus sonhos.

Todas as entrevistas serão em formato ping-pong (pergunta e resposta). As perguntas são bem parecidas para quase todas. E a ideia é essa mesmo, observar a perspectiva de resposta de cada uma de acordo com o seu mundo.

A verdade é que, como jornalista, eu sempre amei escrever. E claro que faço muito isso todos os dias. Mas ter criado essa série me dá a oportunidade de escrever sobre o que eu realmente gosto de escrever: pessoas porque sou um ser movido pelas coisas que me cercam, pelos aprendizados que venho tendo com tanta gente do bem.

MAS VAMOS AO QUE INTERESSA

Quis começar com uma amiga muito especial que costumo dizer aos quatro cantos que não é desse planeta. Psicanalista, boa ouvinte e especialista em coaching estrutural sistêmico. Isso só pra começar, porque a Van é multipotencial.

Abaixo, tá o que ela pensa do mundo, da vida e dela mesma {destaquei as partes que + curti}

.: Conta pra gente um pouco de você, o que você faz atualmente e como chegou até aqui?
Hoje, sou psicanalista e coach, mas já fui diretora de arte. O caminho até aqui foi árduo, na verdade, foi minha inquietação e a busca do motivo de ter resultados rasos ou ruins em algumas áreas da minha vida – fora a baixa autoestima. Basicamente, era uma menina tímida na infância/adolescência. Me sentia a pior das garotas da escola: nada interessante, apesar de muito inteligente e com muito talento pra artes. Eu via a vida de todo mundo fluir no tempo que eu julgava ser o certo – na adolescência, via minhas amigas passarem por todas as fases: paquera, primeiro beijo, namoro, eram mais maduras – e eu me sentia muito inocente e achava que comigo basicamente nada acontecia. O tempo foi passando, entrei na fase adulta com os mesmos grilos, mas piorados, porque agora vinham outras informações: faculdade, vida de adulta, menina vinda do interior sem saber muito do mundo, criada em redoma e tendo que administrar isso tudo junto somado a tal timidez e uma infância marcada por vícios e muita violência doméstica, além da cobrança para não repetir os passos de minha mãe (que ela julgava como erro). Eu era a personificação do bicho do mato… rs.

Claro que isso tudo gerou uma pessoa de perfil mais melancólico, com dificuldades de relacionamento, porém, minha ânsia por me entender e ver minha vida mudar caso fosse possível me fizeram estudar psicanálise em 2007, astrologia, me jogar em cursos de autoconhecimento (tipo AnimaSoma, escola do Gasparetto), muita terapia… Até que a coisa toda foi mudando: meu sentimento e percepções para comigo, autoestima melhorando, relacionamentos foram acontecendo e a cada novo envolvimento, eu ia alterando a realidade conforme ia me descobrindo.

Porém, a coisa toda virou de vez em 2015, depois de uma depressão meio forte com um relacionamento que tinha dado em nada e me vi no fundo do meu poço. Saí dela aposentando minha área de atuação profissional, investindo nas formações em coaching, PNL, física quântica, depois o Theta Healing, a dedicação à dança indiana, o contato com minha espiritualidade – enfim! Virei de vez a psicanalista com técnicas holísticas e tinha conseguido alterar minha realidade através de mim mesma com muita dedicação – me empoderei e virei sujeito ativo de mudança da minha realidade e resultados obtidos na vida.

.: O que te motiva? Qual o seu propósito no mundo?
Empoderar pessoas para que elas se tornem sujeitos ativos de mudança da sua realidade, tomando posse da própria vida para serem mais felizes e realizadas.

.: Por que você faz o que você faz?
Acredito na evolução humana, e essa evolução envolve acordar para aquilo que somos de verdade. Se eu consegui, outras pessoas também conseguem – e se consegui, posso auxiliar quem procura o mesmo que eu e tenha essa inquietação e disposição interna para se vasculhar e se trabalhar.

.: 3 coisas que fazem de você uma mulher do futuro.
Sou forte, independente e empoderada.

.: Uma grande lição que fez de você a mulher que é hoje {que você aprendeu e pode compartilhar}.
A vida te trata como você se trata, a vida devolve aquilo que você de forma consciente ou inconsciente emite pra ela. Quando entendi isso, assumi minha responsabilidade, arregacei as mangas e fui me trabalhar. Sim, me frustrei várias vezes achando que seria rápido, mas é um trabalho árduo sim – árduo e profundo (estamos lidando com todo um conteúdo inconsciente e temos a péssima ideia (ou ilusão) de que vamos mudar tudo num passe de mágica). Mas podemos, podemos o que quisermos, com persistência e muito amor por nós mesmas chegamos onde queremos.

.: Que conselho você dá para a mulher que está te lendo e quer ter uma vida com mais propósito e felicidade {mas que, por algum motivo, não sabe como fazer isso}?
Felicidade você conquista… A meu ver, é estado de espírito e tem muito de autoestima também – sou feliz hoje porque me amo e acredito em mim. E também cheguei à conclusão de que propósito está muito mais relacionado à sua essência, à pessoa que você é de verdade. Estamos aqui pra nos conhecermos, acordarmos pra essa essência e o caminho pra chegar é sempre o caminho do autoconhecimento, depois, você coloca o melhor da sua essência a serviço do próximo… Então, se ame, acredite em você, trabalhe em prol do seu autoconhecimento, das curas de feridas internas e depois deixe sua luz brilhar, o propósito acontece naturalmente.

.: Como você deixa sua marca no mundo {e de quebra deixa ele melhor}?
Sendo eu mesma, apenas. Com meu exemplo e integridade (aceitação da minha luz e sombra), eu passo meu melhor para o mundo.

Reflexões que tirei dessa entrevista:
>> Até as pessoas mais fortes que eu conheço passam por coisas que jamais podemos imaginar. Todas já tropeçamos, todas vamos cair. O importante é saber levantar. Você não está sozinha, mas precisa acreditar em você mesma sempre.

>> Felicidade é a gente que faz! Não existe modelo pronto. Se sua vida não tá legal, repense suas próprias atitudes, as coisas que te cercam. Mude!

>> Você pode chegar aonde você quiser. Não tenha medo.

Este texto faz parte da série “Mulheres do Futuro”. O objetivo dessas entrevistas é contar a história de mulheres incríveis, que trabalham com coisas completamente diferentes, que possuem um senso de mudança arrebatador. Mulheres que desejo ver cada vez mais num futuro bem próximo. A cada semana, vou contar a história de uma delas e, espero de coração, que elas também possam te inspirar a correr atrás dos seus sonhos.

Todas as entrevistas serão em formato ping-pong (pergunta e resposta). As perguntas são bem parecidas para quase todas. E a ideia é essa mesmo, observar a perspectiva de resposta de cada uma de acordo com o seu mundo.

Quer receber um material bacana e que realmente te ajude na geração de conteúdo nas redes sociais?

Cadastre seu e-mail {e óh, fica tranquilo, a gente só manda o que gostaria de receber também. Respeitamos o seu espaço}.