Nenhum negócio digital sobrevive sem diálogo. Nenhum! Marketing de conteúdo é antes de tudo ferramenta de conexão. É como um imã que atraí quem você quer e repele quem não se identifica com seus valores. Ou seja: conteúdo é tudo!

Entenda que: um negócio bem-sucedido precisa criar conteúdo relevante consistente e inspirar as pessoas. Mas o que a gente mais vê por aí é:

Conteúdo focado em vender, vender, vender

Conteúdo nada empático

Conteúdo sem consistência

Conteúdo que não agrega valor

Mas dá pra mudar essa realidade \o/ eeeee

As redes sociais são ótimas pontes para a construção desse conteúdo, mas como realmente fazer isso?
Vamos supor que você trabalhe com artesanato. Seu trabalho pode ser lindo, super caprichado, mas quantas pessoas – sem contar as que estão no seu círculo de amizades – sabem disso? Ninguém é obrigado a saber que você existe. É você quem tem que comunicar isso para o mundo.

Se trabalhasse com artesanato, as primeiras coisas que faria:

 

  1. Entraria em todos os grupos possíveis relacionados ao assunto para entender o que outras pessoas estão falando.
  2. Perguntaria para o meu público: “o que vocês gostariam de saber sobre artesanato?”. Tentaria entender quais as dúvidas, quais os assuntos que despertam interesse nas pessoas.
  3. Tentaria entender como posso ofertar meu trabalho com algum diferencial. Será que capricho na embalagem? Será que escrevo um recado manualmente? Será que crio uma etiqueta super fofa falando que esse trabalho é manual? Como posso deixar minha marca registrada?
  4. Investiria em uma marca. E, se eu não tivesse dinheiro pra isso, colocaria como meta. Porque ter uma marca que expressa a sua identidade valoriza – e muito – o seu trabalho.
  5. Começaria a divulgar nas minhas redes pessoais o meu trabalho. Tentaria entender quais as redes sociais que o público que eu quero atingir utiliza.
  6. Pensaria como agregar valor no meu conteúdo! Afinal, preciso inspirar as pessoas.
  7. Mas também preciso vender. Como posso fazer isso de forma empática? Pensaria em textos mais sutis, leves que ‘vendesse’ sem ‘vender’. Entende?
  8. Começaria a produzir conteúdo para as redes sociais mostrando meu trabalho. Montaria uma ‘rotina de conteúdo’. Pensaria em tudo que eu divulgaria no mês x e colocaria em calendário com os temas das publicações. Por exemplo: essa semana vou falar sobre tapetes de crochê. Na próxima, vou falar sobre tipos de pontos de crochê…e por aí vai.
  9. Ensinaria as pessoas a fazerem pequenos trabalhos manuais. Acredite: compartilhar o que você sabe é tão importante quanto vender o que você sabe. Claro que você não vai ensinar tudo, mas reserve um pouco desse conhecimento para dar às pessoas. Conhecimento não tem valor se não puder ser compartilhado. E quanto mais você compartilha, mais você se posiciona!
  10. Pensaria em temas para divulgar meus produtos. Por exemplo, no mês da primavera, faria algo com flores. Ou uma campanha utilizando apenas tecidos florais nos meus produtos.
  11. Quando fosse possível, investiria em fotos para valorizar meu trabalho. Uma boa foto diz muito. Sabia que também já existem oficinas para aprender a tirar boas fotos utilizando o celular? É algo que pode ser interessante investir.
  12. Se eu conseguisse vender bem meus produtos, investiria em uma lojinha online onde as pessoas pudessem fazer suas encomendas sem sair de casa 😉 lembre-se que seu site e todos os materiais da sua marca precisam ter uma identidade, uma linguagem.
  13. Teria cada vez mais conteúdo no meu site, ensinando as pessoas a realizarem coisas. O blog, diferente de outras mídias, permite conteúdos mais elaborados.
  14. Gravaria vídeos para explicar como as pessoas podem deixar a casa mais charmosa com artesanato.
  15. Deixaria bem claro os propósitos da minha marca e da importância em adquirir um produto manual.

 

Ok, eu sei que explicando assim parece fácil e essas são só algumas ideias. No texto acima não falei só sobre produzir conteúdo porque quando a gente fala disso, tem que falar também de posicionamento e pesquisa. Está tudo ligado! Mas o grande diferencial disso é a AÇÃO. Planejar não tem sentido se você não colocar em prática. E conteúdo só existe se você colocar a mão na massa.

Atraia seus potenciais consumidores com uma boa história
Como você pode usar suas experiências pessoais para ajudar seu negócio? Na comunicação usamos muito uma estratégia chamada ‘Storytelling’.

Storytelling é a arte de contar histórias. É algo bem antigo. Afinal, nós vivemos de histórias, o ser humano gosta disso. É uma estratégia muito usada porque é um modo de fazer com que os clientes reparem no seu negócio.

Todo negócio tem uma história!
Não sabe como começar a contar a sua história? Comece respondendo as perguntas a seguir: O que te inspira? Por que você vende o que você vende? Por que você faz o que você faz? É isso que as pessoas querem saber! E não só o que você vende, entende? Sua história pode inspirar pessoas, acredite 😉

O seu conteúdo deve existir para ajudar quem está do outro lado da tela. Seja inspirando pessoas, fornecendo informações relevantes sobre sua área, ensinando…

Você pode:

  1. Explorar momentos da sua vida pessoal que estão relacionados ao seu negócio.
  2. Falar do seu objetivo de forma mais ampla e o que você pretende.

E, ah, super válido: histórias de negócios podem misturar experiências pessoais com o propósito do seu negócio. As pessoas podem se identificar com você, sua vida e seus desafios. Você pode ser um exemplo!

Um cadinho sobre conteúdo em vídeos
O vídeo é uma importante estratégia de marketing de conteúdo porque envolve as pessoas.

Aí você diz: tem tanta gente fazendo vídeo que fica difícil chamar atenção.

É verdade! Mas bora lá:

Quando fizer um vídeo, entenda:

Se ele for focado em vendas, dificilmente vai ter engajamento.

Se não estimular o diálogo, dificilmente vai ter engajamento.

Se não oferecer conteúdo (dar dicas, ideias, ensinar coisas), dificilmente vai ter engajamento.

Se não oferecer conteúdo inédito, vai ser mais do mesmo.

Conteúdo em vídeo funciona quando agrega valor e interage com o público de forma significativa.

O objetivo do conteúdo digital é oferecer algo, ensinar, compartilhar!

E, independente do vídeo que você criar, ele precisa estar alinhadinho com sua marca. Isso significa: produzir algo autêntico e traduzir os valores da sua marca.

Consumidores/Clientes não gostam de perder tempo! Não faça conteúdo forçado, artificial ou focado em vender, vender e vender.

Por isso

  1. Seja você! Autenticidade é tudo.
  2. Seja empático. Simmmm, precisamos de empatia, precisamos de negócios empáticos <3

Dica: o que as pessoas que trabalham no mesmo ambiente que você, e são suas referências, criam de conteúdo audiovisual? Isso pode te inspirar! Faça uma pesquisa e veja o que funciona e o que não funciona dentro do seu caso, do seu nicho de mercado.

E aí você me pergunta: como posso atrair meu público se faço crochê, por exemplo?

Algumas ideias:

Você poderia produzir uma série de vídeos:

‘5 coisas que podem ser feitas com crochê’

‘Crochê para crianças: o que você pode criar’

‘Tapetes de crochê: novas formas de fazer e vender’

‘Cestos de crochê: 3 dicas para criar o seu!’

‘Crochê para quem quer aprender: 3 dicas especiais para começar’

‘Aula básica de crochê para iniciantes’

‘Ponto de crochê: como fazer?’

Se não rolar em vídeo, você pode tentar pensar em como esse conteúdo seria aproveitado em outras mídias…

Exemplos

Crochê foi algo que surgiu na minha cabeça porque pesquisando ‘artesanato’ no Instagram me deparei com perfis mega fofos.

Repare em alguns pontos dos perfis que visitei que achei super legais.

Marca: @sandaloecedro

Tem uma identidade, uma marca

Existe um cuidado com as fotos

Exploram detalhes que estão alinhados com a identidade

Texto empático – (vende sem vender) – Comunica

Marca: @crochetcriativo

Conteúdo bacana, que explica e vende sem vender porque é sutil

Outro Exemplo: @fiosdanana

Perfil super organizado que explica o que faz, vende sem vender, tem uma linguagem e identidade.

Peguei exemplos reais para vocês entenderem: sim, é possível!

Avalie

Nem todo mundo vai se interessar pelo seu conteúdo porque o seu trabalho NÃO é pra todo mundo. Por isso que conteúdo bem feito é bom: aproxima a turma que se interessa pelo que você faz e repele quem não curte.

Mas entenda como as pessoas se comportam com o que você divulga. Se você perceber que o vídeo “Aula de crochê para iniciantes” bombou, será que não tem um campo para ser explorado para quem quer aprender? Será que não seria legal lançar vídeos ensinando algumas coisas? Será que não é o caso de pensar em um curso online? Conteúdo gera insights o tempo todo, desde que você perceba como seu público se comporta.

Seu conteúdo é uma conexão entre as crenças da sua empresa e os interesses do seu cliente. Capisce?

É por isso que as marcas usam o marketing para promover seus valores e transmitir sua personalidade. Só que marketing de conteúdo não salva negócio ruim, viu? Propósito é tudo!

Lembre-se também ao produzir conteúdo:

Menos é mais. Em alguns casos, nas redes sociais, um texto curto gera mais impacto que um texto longo.

Seja honesto. Marketing não é uma mentira. Nada se sustenta com mentiras.

Antes de começar a criar o conteúdo: identifique seu público! Isso vai te ajudar a transmitir a mensagem certa.

Pesquise: o que seu público quer saber, o que pode ser realmente bacana divulgar.

Se organize: sente e escreva 6 textos que você acha bacana divulgar. Pense: nas imagens que vão acompanhar esses textos. Se o conteúdo é empático. Se divulga o que você faz de forma gostosinha de ler. Se reforça seus valores.

Pense em qual mídia seria bacana divulgar esse conteúdo: será que é no facebook? Será que é no instagram? Não replique conteúdo, cada mídia tem um foco (vamos falar + disso em outro texto)

Pense nos seus diferenciais quando for criar seu conteúdo. Qual a sua identidade? Qual a sua linguagem?

Responda os comentários. Dê atenção para as pessoas.

Teste formas de conteúdo e faça com o que você tem na mão. Ninguém começa fazendo o melhor vídeo do mundo. A gente tem que começar com os recursos que a gente tem.

Lição de casa

  1. O que você pode fazer já? Converse com pessoas que entendem e admiram seu trabalho sobre como seria bacana divulgar o que você faz.
  2. Converse com pessoas que não fazem parte do seu universo de trabalho para descobrir o que elas gostariam de saber sobre o que você faz.
  3. Veja e leia conteúdo de pessoas que te inspiram.
  4. Pense em quais redes você deve estar. Afinal, como já disse, você não tem que estar em todas as redes. Comece por uma.
  5. Tente fazer 6 conteúdos e divulgar para seu público, use suas redes pra isso. Se fizer, marque a gente com uma hastag para podermos acompanhar, use: #ConteúdoMonster

Zéfini

Conteúdo dá pano pra manga e vou falar muito disso ainda, mas por hoje é isso.

Gostou do texto? Então me ajude a compartilhar! Indique nossa lista de e-mails para um amigo ou convide ele para acompanhar a Little nas redes sociais e por aqui =)

Beijo no core <3

Quer receber um material bacana e que realmente te ajude na geração de conteúdo nas redes sociais?

Cadastre seu e-mail {e óh, fica tranquilo, a gente só manda o que gostaria de receber também. Respeitamos o seu espaço}.